3 min de leitura

O setor de tecnologia da informação, conhecido por ser predominantemente ocupado por homens, contou com um aumento de 60% da participação feminina, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A analista de sistema sênior Daniele Tavares se formou em 2010. Segundo ela, foram apenas duas mulheres em uma turma grande. Ela conta que as mudanças finalmente estão chegando, mas no mercado de trabalho teve que enfrentar muitos desafios.

“Como mulher, realmente não foi fácil chegar no mercado e conquistar o mercado, ainda mais como estou hoje, em um cargo de liderança. Enfrentei algumas coisas, alguns preconceitos, algumas provocações, alguns enfrentamentos que eu tive que suportar, mas com o meu conhecimento, apoio da família, eu consegui superar várias dificuldades. Percebia que eu não tinha um respeito ou que não tinha confiança. Te subestimavam por você ser a mulher na área de TI, que é uma área que, para mim, está deixando de ser uma área totalmente do universo masculino”.

Cynthia Zanon hoje é estrategista de tecnologia da Microsoft e fundadora da WomakersCode. Ela ressalta que a falta de acesso a capacitação é também o que afasta as mulheres desse mercado. E foi com esse intuito que criou a empresa: para fortalecer e impulsionar mulheres na área.

“Sempre posicionam que a falta das mulheres no mercado, trabalhando como desenvolvedoras, como cientista de dados, e tantas outras áreas que a gente tem, é (pela) falta de interesse. Só que, na verdade, não é. É principalmente a falta de acesso à oportunidade de capacitação, que, de certa forma, consigam aproximar essas mulheres do mercado. Não ter um tipo de formação que seja muito básica, digamos assim, e que e que não seja alinhada com que existe hoje, de uma sociedade, dentro do mercado de trabalho. E acho que o compromisso que nós temos aqui, dentro da WomakersCode, é a facilitar essa aproximação e incentivar essas mulheres, que sempre quiseram ter uma oportunidade de aprender sobre programação ou sobre qualquer outra área de tecnologia. Terem acesso a conhecimentos, como também conseguirem se conectar no mercado de trabalho, conhecer empresas que tem políticas de contratação – não só olhando para intencionalmente aumentar o número de mulheres, mas que também tem a questão de oportunidade para pessoas de diversas regiões do Brasil”.

A WomakersCode firmou uma parceria com a Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e oferece cinco mil bolsas gratuitas em cursos ligados à área de tecnologia, e mentoria de carreira para mulheres de toda a Bahia, como conta a secretaria da Secti, Adélia Pinheiro.

“Oferecendo uma oportunidade para ampliação dos conhecimentos e das habilidades de mulheres que se interessam pela área de tecnologias, informação e comunicação. É, portanto, uma ação que coloca à disposição das mulheres da Bahia cinco mil bolsas integrais de cursos online, com certificação na área de tecnologia, informação e comunicação. E além disso cinco mil vagas para eventos mensais online que a nossa parceira WomakersCode realiza”.

As inscrições podem ser realizadas pelo site da Secti. A previsão é que, até 2024, o mercado de tecnologia da informação demande mais 420 mil profissionais, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologias Digitais.

Fonte: Rádio Agência Nacional

Comentários