2 min de leitura

O movimento antirracista cresce cada vez mais nas instituições de ensino, que buscam promover ações dentro e fora das escolas. Debates sobre o tema, ampliação das opções de leitura de obras escritas por não brancos, ocupação de vagas no quadro colaborativo e de bolsas de estudos para pessoas negras e de baixa renda, são algumas das medidas adotadas pelos colégios.

Buscando ampliar a diversidade nas escolas e, desta forma, estabelecer novos movimentos para a equidade, as escolas do grupo Bahema Educação estão realizando próprios censos em suas unidades. A Escola da Vila e Escola Viva, ambas em São Paulo, e Escola Parque, no Rio de Janeiro, estão mais adiantadas no levantamento para identificar os dados reais das suas comunidades escolares e planejar novas ações.

“O levantamento nos trará um diagnóstico fundamental para estruturar planos de ação
que tenham ainda mais impacto em toda a comunidade, envolvendo as equipes, os
estudantes e as famílias”, explica Gabriel Ribeiro, CEO do Grupo Bahema Educação.

Ações Antirracistas

Além do censo, a Escola da Vila conta com um projeto de inclusão chamado ‘Ampliar’,
que tem o objetivo de aumentar o número de vagas para alunos negros e também alunos de baixa renda por meio de cotas sociais financiadas por outros pais, responsáveis ou empresas.

O processo de seleção é realizado com o apoio de uma ONG. Criado em 2018, o projeto já captou alunos do Ensino Médio e a expectativa é que seja estendido ao Ensino Fundamental para o próximo ano letivo e, em 2023, estejam disponíveis também às crianças da Educação Infantil.

No ano de 2019, surgiu também um coletivo de pais e mães de alunos da Vila, que se uniram à escola para contribuir com o debate. Batizado de Núcleo de Ação Antirracista de famílias da Escola da Vila (NAA), tem como objetivo propor e incentivar maior troca de conhecimento entre a comunidade.

Em novembro, mês da Consciência Negra, a agenda de debates e reflexões, que acontece durante todo o ano, tem programação especial. De 20 a 27 de novembro a escola e o NNA farão o Sarau da Consciência Negra, com música e arte envolvendo todos da comunidade escolar, clubes de leitura, voltado para todas as faixas etárias, dos pequenos da Educação Infantil aos maiores do Ensino Médio, clube de cinema e roda de conversa.

Comentários